Lei de Acesso à Informação garante um passo à frente para repórteres

Em vigor no Brasil desde 2012, a Lei de Acesso à Informação ainda tem muito avançar. Segundo Fernando Rodrigues, da Folha de S. Paulo, um exemplo que o Brasil deve ter em mente são os Estados Unidos. “No site da Casa Branca é possível ver os salários de todos que trabalham para o governo, sem maiores obstáculos. Quando você clica para fazer o download, aparecerem diversas opções de arquivo, e cada um escolhe o melhor para o que necessita fazer. Isso sim é a transparência elevada à décima potência”, comenta.

Além de Rodrigues, Ivana Moreira (Veja BH) e Marina Atoji (Abraji) participaram da mesa “Mapa de Acesso s Informações Públicas 2013”, na Conferência Global de Jornalismo Investigativo. Os três jornalistas foram incansáveis no processo de implementação da lei, que começou há quase 10 anos.

fbfbf
Ivana Moreira, Marina Atoji e Fernando Rodrigues tiveram papeis importantes na implantação da Lei de Acesso à Informação no Brasil.

Após o esboço da ideia, era necessário pensar em como pressionar o governo para que a lei existisse de fato. “Começamos a fazer uma lista dos senadores que estavam ganhando as eleições nas pesquisas daquele ano. Então, entramos em contato com cada um deles, para que se comprometessem a ajudar na implementação da lei e que o fizessem da forma mais rápida”, contou Marina.

Os que não assinavam eram mencionados no Twitter do grupo, para que a população conhecesse os parlamentares que não apoiavam a lei. Segundo Marina, essa iniciativa fez muitos senadores voltarem atrás.

O projeto parecia ter se encaminhado quando foi barrado em seu último obstáculo: a Comissão de Relações Exteriores, presidida por Fernando Collor. Nesse ponto, conta ela, as mídias sociais foram importantes para alertar a população. “Todo dia postávamos algo para que o público também o pressionasse [Fernando Collor]. Além disso, colocávamos notinhas no jornal sempre que possível. Um dia, ele cedeu e a lei foi aprovada”.

Marina também é uma das redatoras do Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, portal que agrega diversos dados que complementam a Lei de Acesso . Lá, são disponibilizados desde formulários prontos para pedir informações ao governo até notícias que mostram como a implementação não foi completa em todo país. O objetivo é facilitar o processo e aprimorar a lei.

Segundo Fernando, é importante que os repórteres saibam todos os procedimentos para utilização da lei — o que é bastante raro. “É sempre bom fazer um requerimento formal e garantir que alguém receba na hora. Grave no celular, peça uma resposta por e-mail, mas garanta ter como provar que alguém recebeu o seu pedido. As solicitações têm prazo”, ensinou.

Texto e foto: Amanda Rocha (4º ano PUC-Rio)

Serviço:

Mesa: “Mapa de Acesso a Informações Públicas 2013″ 

Palestrantes: Fernando Rodrigues (Folha de S.Paulo/Abraji), Ivana Moreira (Veja BH) e Marina Atoji (Abraji)

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *